terça-feira, 4 de julho de 2017

O nosso gostoso pantanal



Já todos sabemos e estamos cansados de saber: o Estado não tem dinheiro para pagar condignamente a todos. Assim sendo, vai sendo generoso com quem parte e reparte, vai dando o que pode a quem sabe protestar e protesta, e não dá nada a quem tem medo, cala e consente. É o caso dos… (tcharã)... professores.
Aos professores, à falta de pilim, sempre se tem pago com… tempo, esse bem tão preciso! Todavia, nos áridos e quietos tempos que suportamos, nem tempo há para pagar aos professores. Os cargos, que noutras profissões ainda são pagos com money, nas escolas são remunerados com tempo, ou melhor, com tempinho, pois, normalmente, nem dá para 1/5 do necessário (já para não falar da responsabilidade assumida). É o caso flagrantíssimo do cargo de diretor de turma. Os felizes contemplados com esta benesse não sofrem de abulia, de certeza absoluta. Mas também não sofrem de stresse, uma vez que podem dormir tranquilamente, com aquela paz e harmonia só acessíveis a quem tem a certeza de que ninguém lhe quer assaltar o castelo para o depor. Haverá neste mundo algo mais sereno e mais reconfortante? Não acredito!
Como o tempo dado legalmente aos diretores de turma não chega para as mais pequenas encomendas, e como as escolas também não têm máquinas de fazer tempo (nem dinheiro, infelizmente), tem-se recorrido à mais inesgotável fonte de riqueza: a imaginação portuguesa (há quem lhe chame chico-espertismo). Perliiiiiiim! E eis que, dá lâmpada oxidada, sai uma ideia genial: a transformação do secretário (que, outrora, só redigia a ata) em assessor do diretor de turma. Ajuda antes da reunião, colabora durante, continua colaborar depois… já começa a ir às reuniões com encarregados de educação, a estar presente nas matrículas (coisa que, dantes, era atribuição da secretaria)… Uma maravilha! O secretário é um prestimoso escravozinho que nem sequer com tempo é pago. Algumas escolas até já “legislaram” a preceito, consignando a filigrana dessa escravatura no regulamento interno. Outra maravilha ainda mais maravilhosa! Vale népia, dear school legislators!
Enfim, caros colegas (e não só), é este o maravilhoso pantanal em que, alegremente, vamos chapinhando. Mas na Síria está tudo bem pior! Algum de vós queria ser professor na Síria, ou fazer um plano de recuperação para membros do dito Estado Islâmico? É claro que não!!! Por isso... vejam lá se aprendem a gostar!

Sem comentários:

Enviar um comentário