sexta-feira, 7 de julho de 2017

Os modernaços



Nos próximos dias (o que não significa que seja todos os dias) vou contar algumas histórias baseadas em casos reais, alguns vividos na primeira pessoa e outros que me foram narrados. Talvez assim algumas pessoas “vejam” e outras fiquem sem moral para continuarem a negar o que sempre “viram”. Por agora, fico-me por uma óbvia constatação: a da prodigiosa plasticidade dos modernaços.
É curioso como, após a capitulação do professorado no reinado de D. Lurdes, os que mais cedo se vergaram, passando a envergar as vistosas cores do lurdismo e a defender a pertinência das lurdices, são basicamente os mesmos que aderiram, precoce e entusiasticamente, às cratices e às geringoncices. Os mesmos que, ainda no ano passado, eram fervorosos apóstolos dos planos de ação estratégica, ajoelham-se agora aos pés da nova e flexível autonomia. Reter alunos é coisa do passado, mau instinto de maus professores, brasão de uma espécie de Idade Média da pedagogia. Os modernaços aderem a tudo o que vier à rede, porque não querem… parecer certas coisas e sofrer outras.
No entanto, à velha Idade Média da pedagogia está a suceder uma nova Idade Média, com novos anátemas: quem não adere é porque encara a avaliação como castigo, não quer recuperar os alunos, é inimigo dos mais desfavorecidos, não gosta de trabalhar em grupo, de partilhar decisões, talvez porque tenha medo que os outros assistam à sua incompetência, às suas perversas parcialidades… Os adesivados é que são os amiguinhos, os que mais amam os alunos, talvez os mais competentes para o exercício da profissão. Os outros…
É um gigantesco jogo de espelhos e de máscaras o tempo que vivemos. Os que se estão borrifando, os que apenas beijam o seu umbigo são os que vão mais alegres na longa e gorda procissão de anjos. Lá à frente, na cabeça do corso, uma belíssima alegoria da autonomia e da flexibilidade; na cauda, um tosco andor feito de plástico reciclado de utensílios descartáveis.  

2 comentários:

  1. Belíssimo retrato do estado das coisas na Educação agora que nos querem servir 'eduquês' em versão requentada...

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, Sérgio! Bem-vindo ao Eramá!

    ResponderEliminar